pesquise no blog

Lendo Árvores...


Blog criado em janeiro de 2008 para reunir a minha produção poética e também dramatúrgica. Este espaço virtual é quase um diário da minha vida. Por aqui, deixo a minha impressão/expressão sobre as experiências do dia-a-dia e, a cada vez que revejo uma época, consigo relembrar por meio dos poemas e versos quais afetos estavam em curso naquele momento. Em outras palavras, é uma casa cheia de memória.



Em 2007 escrevi o poema Lendo árvores e escrevendo filhos, que terminava com dois versos que deram título a um poema seguinte: Algo assim, melhor do que eu. Nestes dois poemas, dei início a uma espécie de propósito criativo: tem a ver com pensar a minha escrita como metáfora de um filho. A cada novo poema nasce uma criança e, como tal, uma promessa de mundo, de transformação. Nesse jogo, penso sobre o meu lugar no mundo e a responsabilidade sobre aquilo que produzo artisticamente. 
Aqui, eu leio a vida para refazê-la em versos – mas sem a exigência de fidelidade. Minhas criações são filhos que a vida fez nascer em mim. Parece poesia: e é. Amor, família, solidão, fome, morte, suicídio, sexo, dor, linguagem, música, teatro, desejo, distância... Ingredientes que a própria existência a mim descortinou: tudo aqui reunido e livre, em plena movimentação e cruzamento. 
Um dia eu supus que para dar conta da minha própria existência seria preciso dançar sua instabilidade. Portanto, escrever sobre ela própria me fez dinamitar sentidos fixos e abrir outras saídas possíveis, revelando suas fendas e abismos. O criar, então, me veio como ação primordial do ser artista que refaz em ação a vida como potência e transformação.